16 de abr de 2009

Tá com saudades? Faça um DDA

Têm dias que tudo o que eu queria era bater um papo com minha mãe, conversar amenidades, sobre o clima, sobre as roseiras, sobre o cachecol que comecei a fazer...
Existem perguntas que eu nunca fiz, mas que gostaria de ter feito, e há outras perguntas que não fiz porque ela já não estava mais aqui...
Queria saber dela, enquanto estava viva, -Qual foi o dia em que ela resolveu pegar os filhos e o cachorro e sair de casa???, queria saber também, -Como ela conseguiu voltar a sorrir depois que perdeu um filho???
Queria saber se um dos meninos é parecido comigo quando eu era criança, se o Pedro é tão parecido comigo(nas loucurinhas)quanto eu imagino, se eu realmente não gostava de pessoas como eu acredito que não gostava, como o Caio...

*DDA- discagem direta do além

7 comentários:

Chris disse...

Sonia, DDA para mim foi otima! E nova! Realmente a gente ve o quanto poderia compartilhar do passado e das atualidades, com nossos queridos que se foram. Suas duvidas com certeza seriam sanadas numa simples conversa, mas agora o jeito e sentir, confiar em vc propria.
Essa ai de nao gostar de pessoas me lembra o amore, hahahaha, principalmente num supermercado cheio, gente reclamando, tem tem pavor e diz "I hate people", Eu odeio pessoas, por isso que prefiro os animais e bla, bla, bla...ahahah
Pois e... mas olha se vc conseguir o DDA conta para a gente ta?! =D

bjao

Nina disse...

Ahh Soninha... isso é tao complicado... porque as pessoas nos deixam né?? Qd havia tanto a ser dito ainda.

eu sinto tanto. essas coisas mexem tanto comigo. imaginar que uma filha nao pode ver a mae vendo os seus netos. encontrando neles similaridades. qd eu era mais nova, queria tirar toda dor do mundo. acho que ate hj sou meio assim. penso em fazer trabalho voluntario, mas tenho a impressao de que nao suportaria ver pessoas sofrendo, porque iria sofrer mt em ver minha incapacidade de ajudar. me sinto assim agora. contigo, puxa...

tbm queria um dda com minha avó. as vezes com meu pai. tem tanta coisa que nao foi dita. tanto carinho que foi desperdicado. oohh soninha, tanta coisa! que só me resta lembrar dos que estao aqui. agora. porque a chance que temos com eles é esta agora, hoje. parece bater na mesma tecla, mas é isso a unica coisa que podemos fazer, viver o agora com os nossos e dar SEMPRE, TODO O MELHOR DA GENTE.

espero que a maré complicada passe logo viu?? Pedrinho melhorou?

um beijo gigante no seu coracao! com todo o amor que posso dar.

Marcia disse...

Pôxa amiga... ha uns dias atrás me deu este mesmo aperto no coração, lembra? Quando escrevi pro meu pai...

Entendo o que esta acontecendo...
Mas fazer o quê?
Fica aí, quietiiiinha com suas perguntas, lembranças e saudades esperando que elas se aquietem um pouquinho.

bjux, bjux, bjux irmãzinha!

Sabrina Jung disse...

Lindona no meu coração!
Tantas palavras que gostaríamos de ter dito e não dissemos.
Aquele último abraço que não deu tempo...
Quando minha avó Tuti (esta da tatuagem no braço) morreu, o meu consolo foi que dois dias antes eu telefonei pra ela e disse uma última vez "eu te amo".
Sabe, eu acredito que quando a pessoa morre ela continua perto de nós, mas nós não percebemos isto.
Então pega uma horinha que não tem ninguém em casa, senta num lugar tranquilo, fecha os olhos e imagina tua mãe e conversa com ela. Fala tudo que tu gostaria.
Eu tenho certeza que ela vai escutar.
Acho que às vezes eles nos falam coisas também, é aquela vozinha que diz vai por aqui e não por ali.
Mas não nos damos conta de que podem ser eles.
Se eu pudesse te dar um presente de dia das mães, te dava um dia lindo com a tua mãe! Só tu e ela!
Também me mato de orgulho de ti e é um privilégio ter uma amiga como tu!!!
Bjo, te amo de montão!!!

Pitanga Doce disse...

Pena que você não teve tempo de perguntar!

beijinhos Sonia

BRUXINHA disse...

Oi Soninha , adorei sua visita e na corrida estou passando pra deixar um oi tb , bjs Leila

calma que estou com pressa disse...

oh amiga não fiz isto comigo não! Não sabe que sou uma chorona invicta e convicta! Pois é ! Chorei com teu post- é mãe ! Eu tenho a minha mas está longe, nos falamos muito, mas já está com 78 aninhos e éduro a constatação de vê-la velhinha , já sem aquele pique todo e sei que um dia vou perdê-la, por isto vou fazer tudo isto que tu falou> vou perguntar muito, ela tb perdeu um filho quando nova> ele tinha 2 aninhos e acho que nunca se recuperou! Não tem como não mudar!
bjs