18 de mai de 2011

por onde anda MEU jeans perfeito

Assunto velho.
Assunto muito velho, eu e meu eterno dilema em encontrar um jeans.
Sinceramente eu sempre achei que fosse pouco exigente, que bastava o jeans me vestir e estava de bom tamanho, mas é uma mentira, eu sempre vivi numa farsa, o que acontecia é que antes, minha bunda não era tão grande e o/a cós das calças eram na cintura ou um pouco abaixo delas, não no meio do quadril.
Sai dia desses, determinada a gastar uns bons reais em duas calças e com um sonho na cabeça, daí já sabe né? Prejudica todo o processo.
Lá pelo ano 1.900 os jeans eram tecidos grosso e pesados, duradouros, tinham cores de jeans e era um sucesso ter um stone walshed(istôni uóxi).
Saí de casa preparada para encontrar meu sonho, duas calças com a cintura um pouco abaixo da cintura - isso me fez lembrar uma histórinha...divagando... uma vez eu estava em uma loja só escutando a conversa alheia, e uma menina disse bem assim com as mãos em volta do quadril: "minha cintura tá tão larrrrga..." - com bolsos no tamanho de antigamente e no lugar, que para mim é em cima do bumbum, um blue jeans(blú dins) e outro stone walshed e skinni(isquini) do jeitinho certo...
Anda para cá, vai para lá(detalhe, sempre carregando os filhos junto), entra na lojinha, entra no lojão, olha a vitrine que parece que a qualquer momento alguem vira me cobrar uns trocos por estar olhando aquelas belezuras com preços de quase 4 digitos...
Chora, come no B.King, fica com a barriga do tamanho do mundo e pensa que agora sim, nada mais servirá.
Ligo para Maridones, chorando que não acho a calça dos sonhos e peço com beicinho(truque?)para ele ir comigo no shopping,não qualquer um, mas aquele XÓPIS que tem gente bonita e parece todo mundo desfilando na féxiu uiki, porque lá sim eu acharei meu jeans dos sonhos.
Encontro o jeans??
É claro que não, na verdade eu até encontrei, mas não estava disposta a pagar pela belezura o preço(irghhhh) de uma geladeira. Cidadãos e Cidadonas, help me, me digam só é um sonho ou existe um jeans com jeito de jeans???

7 de mai de 2011

viaja meu bem, viaja

O ano eu não lembro, só lembro a década e eu ja era menina grande, do tipo que mentia para o namorado que tinha que estudar matemática e corria pra casa brincar de boneca.
Beijar na boca que nada, o lance era brincar de casinha com a boneca e a chuquinha recém saida da caixa, com cheirinho de bebê e tudo.
Naquele tempo a gente se conectava com o mundo além da rua de casa, via tv.
Eu assistia a tudo, armação ilimitada, super cine, viva a noite e novelinhas das 7, brincava na rua até a novela das 8 acabar, mas isso era apenas no sábado porque durante a semana minha mãe não deixava ficar na rua mais tarde do que 6 e meia, e parece que todas as mães tinham combinado a mesma coisa.
Durante a semana a gente não via uma viva alma depois que anoitecesse. Regras. E toda criança com bom senso e a cabecinha no lugar ou apenas com medo de levar uma boa surra, entrava antes que anoitecesse e a luz do poste acendesse. Bons tempos, com muitas regras.
Namorar? Só depois de 15 anos, claro que a gente namorava antes, mas oficialmente com namorado em casa, só depois dos 15.
Comprar roupas de marca/grife? Só depois que já trabalhasse fora, aliás na minha época, todo mundo ajudava em casa, meninos e meninas com mesmas função no lar.
A gente também chamava a mãe de senhora e as vizinhas de dona até que elas nos permitissem chama-lás de tia ou algo do gênero.
Todos nós, todos mesmo, ajudavámos as tias ou donas a carregar as sacolas pesadas. Davámos lugar para os mais velhos, mesmo que não fossem tão velhos.
Andavámos em grupos no meio da rua, porque naquela época nem tinha tanto carro e a rua era praticamente para bicicletas e pessoas.
Jogavamos volei e futebol na rua, saindo muito de vez em quando, quando passava um carro(ô coisa rara!).
Todo mundo tinha um cachorro, que sempre era de raça desconhecida/vira-lata, os únicos cachorros de raça que conheciamos eram o pastor alemão, doberman, fila e a Lassie(collie).
Nesta época eu me emocionava com o Benji, nas suas arriscadas aventuras.
Telefone??? Era o orelhão da esquina que funcionava na base das fichas(caiu a ficha??). Aqui em Curitiba era azul o orelhão e o telefone era vermelho. Quer saber? O danado funcionava que era uma beleza.
Melissa era o presente de natal favorito.
Ganhava roupa somente no natal ou quando tinha alguma festa especial.
Começo de ano era uma alegria só. Cadernos encapados com papel tigre e plástico transparente, etiqueta batida a máquina(!!!), recortes de gibi para alegrar a capa e réguas de brinde da papelaria.
Sonho de consumo?? Jaqueta jeans ou tênis tipo yate que foi um mega lançamento da Rainha.





Filme favorito? Nos Tempos da Brilhantina, absoluto.
Música favorita? Sem essa, tudo era muito, mas muito bom mesmo, até samba enredo de escola cariora(sem preconceito, ainda sacolejo toda ouvindo os isqidum-dum-dum).
E as férias? Coisa boa, todo mundo sem horário, ficando na rua até mais tarde, calor, shorts feito de calça jeans cortada, camisetas fluorescentes e tênis sem meias. Andar descalço, correr sem parar, subir em árvore, montar balanço, soltar o cachorro na brincadeira de pega, comer bolinho de chuva sem chuva, tomar banho de chuva, cantar/gritar Metrô, Tim Maia e Sandra Sá,Sempre Livre, Legião Urbana, Ultraje a Rigor, Barão Vermelho...
Vou ali e já volto, vou continuar a viagem...