7 de mai de 2011

viaja meu bem, viaja

O ano eu não lembro, só lembro a década e eu ja era menina grande, do tipo que mentia para o namorado que tinha que estudar matemática e corria pra casa brincar de boneca.
Beijar na boca que nada, o lance era brincar de casinha com a boneca e a chuquinha recém saida da caixa, com cheirinho de bebê e tudo.
Naquele tempo a gente se conectava com o mundo além da rua de casa, via tv.
Eu assistia a tudo, armação ilimitada, super cine, viva a noite e novelinhas das 7, brincava na rua até a novela das 8 acabar, mas isso era apenas no sábado porque durante a semana minha mãe não deixava ficar na rua mais tarde do que 6 e meia, e parece que todas as mães tinham combinado a mesma coisa.
Durante a semana a gente não via uma viva alma depois que anoitecesse. Regras. E toda criança com bom senso e a cabecinha no lugar ou apenas com medo de levar uma boa surra, entrava antes que anoitecesse e a luz do poste acendesse. Bons tempos, com muitas regras.
Namorar? Só depois de 15 anos, claro que a gente namorava antes, mas oficialmente com namorado em casa, só depois dos 15.
Comprar roupas de marca/grife? Só depois que já trabalhasse fora, aliás na minha época, todo mundo ajudava em casa, meninos e meninas com mesmas função no lar.
A gente também chamava a mãe de senhora e as vizinhas de dona até que elas nos permitissem chama-lás de tia ou algo do gênero.
Todos nós, todos mesmo, ajudavámos as tias ou donas a carregar as sacolas pesadas. Davámos lugar para os mais velhos, mesmo que não fossem tão velhos.
Andavámos em grupos no meio da rua, porque naquela época nem tinha tanto carro e a rua era praticamente para bicicletas e pessoas.
Jogavamos volei e futebol na rua, saindo muito de vez em quando, quando passava um carro(ô coisa rara!).
Todo mundo tinha um cachorro, que sempre era de raça desconhecida/vira-lata, os únicos cachorros de raça que conheciamos eram o pastor alemão, doberman, fila e a Lassie(collie).
Nesta época eu me emocionava com o Benji, nas suas arriscadas aventuras.
Telefone??? Era o orelhão da esquina que funcionava na base das fichas(caiu a ficha??). Aqui em Curitiba era azul o orelhão e o telefone era vermelho. Quer saber? O danado funcionava que era uma beleza.
Melissa era o presente de natal favorito.
Ganhava roupa somente no natal ou quando tinha alguma festa especial.
Começo de ano era uma alegria só. Cadernos encapados com papel tigre e plástico transparente, etiqueta batida a máquina(!!!), recortes de gibi para alegrar a capa e réguas de brinde da papelaria.
Sonho de consumo?? Jaqueta jeans ou tênis tipo yate que foi um mega lançamento da Rainha.





Filme favorito? Nos Tempos da Brilhantina, absoluto.
Música favorita? Sem essa, tudo era muito, mas muito bom mesmo, até samba enredo de escola cariora(sem preconceito, ainda sacolejo toda ouvindo os isqidum-dum-dum).
E as férias? Coisa boa, todo mundo sem horário, ficando na rua até mais tarde, calor, shorts feito de calça jeans cortada, camisetas fluorescentes e tênis sem meias. Andar descalço, correr sem parar, subir em árvore, montar balanço, soltar o cachorro na brincadeira de pega, comer bolinho de chuva sem chuva, tomar banho de chuva, cantar/gritar Metrô, Tim Maia e Sandra Sá,Sempre Livre, Legião Urbana, Ultraje a Rigor, Barão Vermelho...
Vou ali e já volto, vou continuar a viagem...


7 comentários:

Marsyah disse...

Putz, Soninha... Mergulhei em pura nostalgia agora. Tempos bons aqueles, não? Quanto a educação que recebíamos, tento ensinar o mesmo pra Larinha. Ela chama todo mundo de senhor/senhora, inclusive eu e o pai dela. Toma benção e tudo... Minha mãe não deixava brincar na rua de jeito nenhum, mas eu não perdia nada, o quintal era enorme (lembra que existia quintal??? Artigo em extinção nos dias de hoje). Era muito feliz e sabia disso. Estou tentando passar um pouco disso pra bonequinha.

Tivemos infâncias muito parecidas.... Ai.. ai... Nostalgia pura...

beijos, querida.
saudade de você...

Sabrina Ândrea disse...

Guria... fala sério... pena que eu não pensei em escrever isso antes... parece a história da minha vida, rsrsrs... vc deve estar na casa dos 30, pois isso parece um repeteco de minha feliz época infantil e adolescente!! Por um momento eu fiz uma viajem gostosa ao passado... pois lembrar é gostoso, não há como descrever !!! Que "dilicia" de texto !!!! Parabéns !!

Nina disse...

Incrível Soninha! Foi TUDO,TUDO, TUDO sem tirar nem por, tudo igualzinho com a gente. Vivemos tudo isso, exatamente como vcs aí no sul. Mt bom! Tu colocaste tudo o que a gente viveu e de uma forma mt legal, mt saudosa.
AMEI!!!

*~* Coisas da Bruxinha *~* disse...

Minha querida amiga fiz uma parceria maravilhosa e tenho certeza que vc vai adorar conhecer além é claro de participar do sorteio de um presente muito especial oferecido por eles a vcs minhas leitoras e amigas.
Vou te esperar ok?!!

bjs Leila

Keu Dias disse...

Ai que saudade! Bons tempos...

Imprensa na rede disse...

Meu nome é Tatiana Dias e trabalho para uma empresa de Comunicação e Marketing, na Espanha. Gostaria de saber se te interessa colaborar com uma campanha de publicidade de um site de classificados gratis no Brasil. Pagamos 25 euros por PayPal pelo trabalho.
Se está interessada na proposta, não deixe de entrar em contato comigo em este mesmo e-mail: tatiana.segala@gmail.com
Atenciosamente,
Tatiana A Dias

*Mademoiselle Susie* disse...

Pode chorar de saudade???
Só mudaria um trechinho, no Natal, eu ganhava presentes, pois a mae era costureira, e eu ganhava roupa o ano inteiro!!
To aqui me segurando para nao chorar!
Ajudar as donas a carregar suas sacolas, era questão de honra!!
Hj em dia é cafona!
Eu quero viver em antigamente, pode??
Bjs